Administrator

Cinco dicas para dominar uma entrevista tech

4 min

Muitos candidatos não têm a mínima ideia do que podem esperar numa primeira entrevista tech. Entre as várias questões que podem surgir, é comum perguntarem-se: “vai ser focada nos skills técnicos? Nas soft skills? Ambos?” Um desafio exigente tanto para o recrutador como para o/a candidato/a que normalmente numa primeira entrevista acabam por não conseguir tirar o máximo partido da mesma.

Tendo a noção desta realidade, decidi partilhar cinco dicas para dominar uma entrevista tech, trazendo umas luzes sobre o que nós Talent Recruiters mais valorizamos e o tipo de perguntas que podes esperar, tendo em conta a minha experiência na Xpand IT. O meu objetivo é simplificar e tornar mais transparente aquilo que pode ser um processo de recrutamento numa área profissional de TI e ajudar-te com alguns dos meus conselhos. Vamos a isto!

1 – Não fiques nervoso/a. Não mordemos!

Não é uma piada. É comum haver candidatos tímidos e, por isso, quando vamos ter contigo à porta já vamos determinados em pôr-te à vontade. Ao conhecer o/a  candidato/a, normalmente fazemos a mesma primeira questão: “Encontraste-nos (o office) facilmente?” – Porque perguntamos isto? Bem, em Lisboa temos três espaços de escritório (e só num existe uma recepção), num edifício que pode ser um verdadeiro labirinto. A resposta mais comum de quem não conhece o espaço é “o edifício sim, a porta nem por isso”. (riso embaraçado). Ao que esclarecemos (com um sorriso) que é habitual acontecer e que, no fundo, esse é primeiro grande desafio para os candidatos. (é uma piada). Quase sempre esta situação resulta em duas pessoas que já vão para a sala da entrevista com outro mood, o que torna tudo mais simples. Facto engraçado: por mais do que uma vez já tive de ir buscar o candidato lá fora. True story. Perceber onde é a nossa recepção não é tarefa fácil.

2 – Prepara-te para falares sobre ti e sobre as tuas experiências

É isso mesmo. Muitos candidatos não percebem esta parte da entrevista. Se não partilhares connosco detalhes sobre a tua experiência e aquilo que já fizeste, torna-se difícil fazer uma avaliação correta, concordas? Para facilitar, utilizamos uma abordagem que normalmente põe as pessoas mais à vontade e que consiste em perguntar-te sobre o projeto mais desafiante em que estiveste envolvido – a ideia é que o expliques com um whiteboard e uma caneta. Desta forma, podes mostrar-nos algo que verdadeiramente gostaste de fazer ao mesmo tempo que conseguimos avaliar inúmeras coisas:

  • Se estás efetivamente confortável com o projeto em questão e se te sentes à vontade para explicar o mesmo (o tipo de raciocínio e lógica que implementaste/utilizaste);
  • O teu grau de experiência com a tecnologia (Sim, é verdade – nós conseguimos compreender-te. Não acreditas? Desafia-nos);
  • As tuas skills de pensamento criativo e capacidade de resolver problemas (podemos perguntar-te, por exemplo, como terias feito o mesmo de diferentes maneiras;
  • Skills de comunicação;
  • A tua capacidade para trabalhar em equipa;
  • Metodologias de trabalho;
  • Capacidades de desenho(estou a brincar, não é assim tão importante, talvez só um bocadinho, quem sabe.)

Como vês, com um simples exercício podemos aprender muito sobre ti e perceber se podes fazer fit nas nossas equipas. Então, fala connosco, deixa-nos surpreender-te.

3 – Sê confiante sobre aquilo que queres, mas não em demasia

Confuso, certo? Concordo. Mas deixa-me explicar. Quando chegamos à primeira entrevista, 90% das vezes os candidatos candidataram-se ou mostraram interesse numa oportunidade específica. Logo, precisas de mostrar que é este o desafio que queres e que és a pessoa certa para o lugar. Utiliza todas as tuas armas!

Se te candidatares a uma oportunidade de Javascript Fullstack developer, prepara-te para explicar por que razão no teu projeto anterior utilizaste Vue em vez de Angular ou React, por exemplo. Se não conseguires explicar o porquê de teres utilizado determinada tecnologia ou até mesmo falar sobre o projeto em si, estarás assim tão “in love” com o que fizeste e com aquilo que será o teu desafio no futuro? Ao mesmo tempo, deves estar aberto ouvir falar sobre novas funções que possam de facto preencher-te e que no fundo respondam àquilo que te faz estar agora à procura de um novo desafio profissional. Nós fazemos de tudo aqui. Por isso, há à tua espera de certeza algo que podes ainda não ter considerado, mas que no momento atual em que te encontras faz muito mais sentido. Não deves ser intransigente. Escuta o que temos para te propor. Não seria a primeira vez que criávamos uma função específica para determinado perfil técnico.

4 – Partilha tudo aquilo que quiseres. Não vás embora com arrependimentos.

Esta é fácil. Vamos pedir-te para falares sobre o teu projeto mais desafiante. Mas de maneira nenhuma queremos impedir-te de falar sobre algo que seja relevante para ti ou sobre a tua experiência.

Se vires que não vamos fazer mais perguntas… chega-te à frente:

[Candidato/a]: Hey! [nome do recrutador] posso dizer uma coisa?

[Candidato/a]: Há um projeto/skill sobre o qual gostaria de falar.

[Recrutador]: Isso é interessante! Conta-me tudo!

Assim, podemos falar sobre o tema durante o tempo que for necessário, enquanto estiver tudo bem para ti. Comigo não há um limite de tempo para as entrevistas. Porque verdadeiramente queremos conhecer-te.

5 – Sê curioso/a. Queremos explicar-te tudo!

E, finalmente, claro, sente-te livre para perguntar tudo aquilo que quiseres. Se pesquisaste sobre nós para te preparares para a entrevista tech e tens algumas questões, dúvidas ou curiosidades, pergunta-nos. Teremos todo o gosto em esclarecer-te. E mesmo que não tenhas lido nada sobre nós, se tiveres ficado com alguma curiosidade durante a entrevista (ou sobre a entrevista em si), diz-nos. Não existem perguntas “más”. Desde o IRS aos projetos com clientes, passando pelas nossas metodologias e cultura, estamos habituados a todos os tipos de questões e damos as boas vindas a isso. Gostamos de uma boa conversa e de partilhar o que fazemos e quem somos.

Conclusões sobre como dominar uma entrevista tech

Apercebi-me agora de que escrevi muito, não foi? Fiquei entusiasmado! Vamos lá resumir o essencial sobre as cinco dicas para dominar uma entrevista tech:

  1. Relaxa, somos pessoas como todas as outras, mas ainda assim especiais. Sê tu próprio;
  2. Prepara-te para explicar o que fazes;
  3. Sê confiante e mantém a mente aberta;
  4. Sem arrependimentos. Conta-nos tudo;
  5. Sê curioso

Seja como for, termino este artigo dizendo que espero que estas cinco dicas para dominar uma entrevista tech sejam úteis na tua vida profissional futura e que na próxima vez que tenhas uma entrevista, te lembres delas. Espero que mais cedo ou mais tarde encontres o teu dream job. E, quem sabe, talvez nos possamos encontrar um dia?

AdministratorCinco dicas para dominar uma entrevista tech
read more

DevOps não é Dev & Ops – O que eu não sabia acerca de DevOps

2 min

Já há muito tempo que ouço falar de DevOps, mas estava profundamente convencida que era demasiado “techy” para mim. Eu pensava que DevOps era sobre Continuous Integration, Automação, e uns tipos fantásticos que se auto-intutulavam de DevOps e que sabiam quer de desenvolvimento de software quer de gestão de sistemas.

Agora, entendo que estava completamente enganada… DevOps não é igual a Dev & Ops a trabalharem juntas, mas antes a uma organização inteira a trabalhar em conjunto, a colaborar, mas colaborar à séria.

Claro que necessitamos de Automação, claro que necessitamos de soluções para Continous Integration, mas não só.

Numa cultura DevOps, devemos seguir estes princípios:

  • “Know the Flow” (Conheça o seu fluxo) = perceber como é que algo vai de “por fazer” a “feito”.
  • Trabalhar de forma aberta e visível = em vez de trabalhar em equipas isoladas, que apenas se preocupam com o SEU trabalho, toda organização trabalha em conjunto para atingir um propósito.
  • Aprender todos os dias & melhorar = Não perca tempo, se algo precisa de ser melhorado, melhore. Aprenda com as falhas e dissemine o conhecimento por toda a organização.

Mas como podemos transformar uma organização inteira? Em baixo, partilho alguns exemplos práticos:

  • Torne o seu trabalho visível para todos, não se preocupe sobre o que é que os outros vão pensar das suas falhas e sucessos.
  • Mude o “mindset”, deixe-me partilhar esta história que uma vez ouvi..

JFK, antigo presidente dos EUA, em visita à NASA, viu um empregado de limpeza e perguntou-lhe: “O que está a fazer?”. Ele esperava uma resposta, como: “Estou a limpar o chão”, mas antes, o empregado de limpeza respondeu: “ Estou a ajudar o homem a chegar à lua”.

  • Adicione o propósito às suas “user stories”, não desenvolva algo para fazer outra coisa, mas porque o que vai desenvolver vai gerar valor, como por exemplo, aumentar a satisfação do cliente em 80%.
  • Colabore, colabore e colabore um pouco mais… Nenhum homem é uma ilha, portanto não trabalhe como estando numa.

As ferramentas não são o mais importante, mas com certeza que ajudam. As sapatilhas de corrida, não fazem de si um corredor, mas vão de facto ajudar a correr melhor.

Se se encontra à procura de ferramentas que o possam ajudar a compreender o fluxo de trabalho, tornam o trabalho da sua organização visível e ajudam a colaborar melhor como equipa, espreite o Jira, que permite às equipas capturar e organizar o trabalho e o mais importante de tudo, colaborar.

Sofia Neto

Collaboration & Development Solutions Manager, Xpand IT

AdministratorDevOps não é Dev & Ops – O que eu não sabia acerca de DevOps
read more

As últimas novidades do Atlassian Summit

2 min

Mais de 3.500 participantes, 100 parceiros e um universo superior a 90.000 clientes ávidos por conhecer as últimas novidades do universo Atlassian. São estes os impressionantes números do Atlassian Summit, o principal evento mundial da empresa líder em Enterprise Agile Planning Tools no Gartner’s Magic Quadrant 2017, realizado no início de Setembro, em San José, Califórnia.

AdministratorAs últimas novidades do Atlassian Summit
read more