Tecnologia biométrica de reconhecimento

Hoje, mais do que nunca, é fundamental que os utilizadores se sintam seguros ao utilizar um serviço, uma aplicação móvel ou a efetuar a inscrição num website. A prioridade para estes utilizadores é saber que os seus dados estarão, de facto, protegidos. Desta forma, a tecnologia biométrica de reconhecimento desempenha um papel fundamental, já que é uma das formas mais seguras e eficazes de autenticar o acesso dos utilizadores aos seus dispositivos móveis, às suas contas pessoais de e-mail ou mesmo às suas contas bancárias online.

A biometria tem-se tornado, então, uma das formas mais rápidas, seguras e eficazes de oferecer proteção aos indivíduos, não só por ser um dos requisitos de autenticação de cada pessoa enquanto cidadão de um país – ou não fosse a impressão digital um dos dados recolhidos e armazenados para efeitos de documentação legal – como por ser a maneira mais casual (e fiável) de proteger os nossos telemóveis. As vantagens de utilização de tecnologia biométrica de reconhecimento são, então, a eficácia, a precisão, a conveniência e a escalabilidade.

Nas TI, a biometria encontra-se maioritariamente ligada à verificação da identidade de alguém, através das suas características físicas ou comportamentais – impressão digital, reconhecimento facial, reconhecimento de voz ou mesmo a identificação da retina/ íris. Refere-se, então, a tecnologias que medem e analisam as características do corpo humano como forma de permitir ou negar acessos.

Mas como funciona esta identificação no backend? É utilizado um software que identifica pontos específicos dos dados apresentados, que são como pontos de partida. Estes pontos de partida são processados e transportados até uma base de dados que, por sua vez, utiliza um algoritmo que converte as informações num valor numérico. É este valor que irá ser comparado com a entrada biométrica registada do utilizador que o scanner detetou, e a sua autenticação é aprovada ou negada, consoante exista correspondência ou não.

O processo de identificação pode ser efetuado de duas formas: comparação de um-valor-para- muitos ou de um-valor-para-um. O processo de identificação de um-valor-para-muitos acontece quando uma amostra de um utilizador é submetida num sistema e comparada com amostras de outros indivíduos; já o processo de autenticação de um-valor-para-um funciona com apenas um utilizador, comparando os dados fornecidos com os dados anteriormente submetidos – como acontece  nos nossos dispositivos móveis.

Existem inúmeros tipos de leitura biométrica, sendo que estes são os mais comuns:

  1. Impressão digital (uma das tecnologias biométricas de identificação mais utilizadas e mais económicas, já que apresenta um grau de precisão bastante considerável. Na verificação de uma impressão são analisados vários pontos do dedo, como terminações e arcos únicos). Exemplos: aplicações Médis, MBWay ou Revolut;
  2. Reconhecimento facial (através de uma imagem facial do utilizador, constituída por vários pontos de identificação da face, é possível definir distâncias entre olhos e nariz, por exemplo, a estrutura óssea e os contornos de cada componente do rosto. Esta forma de leitura pode apresentar falhas consoante o utilizador tenha óculos de sol ou barba). Exemplo: Face ID da Apple;
  3. Reconhecimento de voz (a identificação é feita através de uma análise aos padrões de voz de cada indivíduo, juntando uma combinação entre fatores físicos e comportamentais. No entanto, não é das formas de reconhecimento mais fiáveis). Exemplos: Siri, da Apple, ou Alexa, da Amazon;
  4. Identificação pela íris/ pela retina (menos utilizada, a identificação pela íris/ retina acontece com o armazenamento dos contornos e padrões geométricos existentes – no caso da íris – e com a identificação de um indivíduo através de vasos sanguíneos no fundo dos olhos – no caso da retina. A garantia de fiabilidade é muito elevada, mas o custo é muito alto, o que faz com que não seja utilizada de forma massiva). Leia este artigo sobre identificação de identidade no setor da banca;
  5. Estilo de escrita (biometria comportamental baseada no tipo de escrita) (por fim, outra forma de autenticar um utilizador, é através da sua escrita – por exemplo, uma assinatura – já que a pressão no papel, a velocidade de escrita ou os movimentos exercidos no ar são muito difíceis de imitar. Esta é uma forma de autenticação mais antiga, utilizada fundamentalmente pela banca). Veja o artigo sobre a Read API, Microsoft Azure.
Ana LamelasTecnologia biométrica de reconhecimento

Leia mais em

Azure

Recomendados

Conheça as novidades, eventos e opinião dos mais reconhecidos experts
do universo de TI, nas áreas de Big Data, Business Intelligence,
Middleware e Mobile.